Copy
16 de outubro de 2020
Olá <<Nome>>

Acompanhar lançamento de iPhone é algo fascinante. Tem todo o discurso oficial bonito da Apple, que faz todo mundo desejar o novo produto. Uma apresentação online cheia de transições e efeitos incríveis, mostrando coisas por dentro da Apple que não estamos acostumados a ver todo dia. Acabou o keynote, começa a digestão de informação: todo mundo querendo dizer o que foi dito e o que não foi dito. Aqui não é diferente, mas temos alguns anos nas costas cobrindo tecnologia para lembrar o passado. 

Na edição fazemos um lançamento oficial de mais um produto Interfaces: Em parceria com a Novelo, colocamos na rua o relatório Techtubers, que analisa um ano de mais de 100 criadores de conteúdo de tecnologia em português.

É um relatório pago, voltado a profissionais de comunicação e marketing que querem uma visão analítica sobre o mercado. Quer saber quem são os 10 canais que a gente indica e estão no topo do ranking? Fale com a gente :)
 
Boa leitura, continuem indicando Interfaces para os amigos e nos vemos semana que vem - Henrique e Samir.
Eletrônicos de consumo
Os novos iPhones
A Apple anunciou quatro novos modelos - 12 mini, 12, 12 Pro e 12 Pro Max - com design que lembra o velho e bom iPhone 4, lançado dez anos atrás (e perdido em um bar, encontrado por um blog).

Grande destaque vai para a adoção de tecnologia 5G e telas OLED nos quatro aparelhos e melhorias sutis nas câmeras, como todo ano.  A Apple chama de "fotografia computacional" o uso da câmera, sensores e software processados para ampliar nitidez, amplitude de cores e foco - tanto que os modelos Pro vêm com um Lidar (sistema de detecção de luz a laser) integrado, como os últimos iPad Pro.

As diferenças grandes de câmera ficam para o modelo 12 Pro Max. No mínimo, isso garante fotos incríveis feitas com os novos aparelhos, que chegam "em breve" ao mercado brasileiro. Modelos anteriores (SE, 11, XR) já ficaram mais caros por aqui. 

Teve também o anúncio de um novo alto-falante com Siri, o HomePod mini. Curioso perceber que, em um ano sem experiências pessoais ao vivo com os iPhones, a Apple escolheu um programa de TV (Good Morning America) para mostrar os lançamentos em primeira mão. Os novos Macs com Apple Silicon ficaram para novembro, pelo visto.
iPhone 12 Pro lembra o iPhone 4, um dos mais bonitos já feitos (Apple/Divulgação)
A Apple está certa…
No anúncio dos iPhones, a Apple anunciou uma decisão polêmica: novos modelos não vêm mais com o carregador na caixa, nem com fones de ouvido. Isso é gerenciamento Tim Cook puro, o trabalho de um CEO que já foi diretor de operações: menos espaço nas caixas, mais espaço em caminhões para transportar iPhones, teoricamente um menor impacto ambiental.

O discurso ecológico é um caminho para isso, mas não a solução correta

De certo modo a Apple, mais uma vez na história da tecnologia, olha para o futuro com essa decisão. Não é a primeira, não será a última vez que a empresa faz isso.

Já foi assim com a morte dos disquetes e adoção em massa de USB lá em 1998 com o iMac colorido, anos depois matando o drive de CD dos notebooks e acabando com o conector de fone de ouvido no iPhone 7. Em dois, três anos, vai ser padrão de mercado e raros fabricantes terão carregador e fones na caixa. 

E a nova tecnologia com velho nome MagSafe presente nos novos iPhones indica algo interessante para o futuro: smartphones sem cabos, recarregáveis apenas usando tecnologias sem fio. O MagSafe faz exatamente isso e indica para onde a Apple pode (e quer) ir (e o resto do mercado depois).
MagSafe: primeiro nos carregadores de Macbook, de volta nos iPhones (Apple/Divulgação)
...mas o discurso não está correto
Com apenas um cabo Lightning para USB-C, o papo ecológico não cola muito: grande parte dos consumidores tem em casa um cabo Lightning para USB-2 - que serve nos novos iPhones e em carregadores antigos, mais lentos.

Então a solução é carregar de forma lenta na tomada velha ou comprar um carregador novo (na Apple Brasil, o de 20W custa R$ 219). O que se economiza de espaço/transporte/papel em um iPhone novo se gasta em espaço/transporte/papel de uma tomadinha - sem desconto no preço do aparelho que continua com preço cheio. 

Ah sim, se você quer um iPhone 12 com fone de ouvido, voe até Paris e compre o seu. A lei francesa obriga ter um headset na caixa.
Em foto feita com o iPhone 12 Pro, a Apple mostra o potencial da câmera em baixa luminosidade (Apple/Divulgação)
#vazagalaxy
Tem vazamentos que a gente acredita (depende da fonte, do site, da credibilidade), tem outros que a gente fica com dois pés atrás: é o caso do rumor que a Samsung vai lançar um Galaxy S21 ainda este ano. Eu hein.
Clique
PowerShot ZOOM é o nome da nova câmera-monóculo da Canon. Tira fotos de 12 megapixels, filma em Full HD e tem um visual único. Vai custar US$ 300, à venda no final de novembro.
Pequena, bonitinha e potente (Divulgação/Canon)
Novo no pedaço
Um smartphone da Umidigi (A7 Pro) passou pela homologação da Anatel, representado por uma DL que não é a DL Eletrônicos que traz a Xiaomi para o Brasil. Confuso? Nós também.
Calendário aleatório
A LG anunciou - de forma oficial - o lançamento de novas TVs 4K e suas primeiras telas 8K no Brasil, todas com tecnologia Nanocell. O curioso é que, ao lançar as telas OLED alguns meses atrás, as mesmas Nanocell 8K já estavam à venda.
OK Google, ligue a TV
As TVs Samsung mais novas finalmente vão ter o Google Assistente como opção de mordomo virtual. Até então, eram apenas Bixby e Alexa. E a Apple vai liberar o app da Apple TV+ para televisores da Sony, compatível até com modelos selecionados de 2018 em diante.

Relatório Techtubers
Interfaces e Novelo analisaram um ano na vida de YouTubers de tecnologia no Brasil. Na lista de mais de 100 nomes, levantamos números, termos, marcas e produtos mais citados.

O resultado? Um ranking baseado em relevância (e outros itens) com análise dos 30 principais canais de tech no Brasil. Sua marca está falando com o YouTuber certo?

É um relatório pago e já está disponível para compra com desconto de lançamento. E quem comprar agora recebe uma atualização com os dados do segundo semestre de 2020 ainda em janeiro.
Cultura Digital
O que o Twitter fez certo esta semana
Bloqueou o ato de retuitar desinformação política, por conta das eleições americanas, que (mais uma vez) são o pesadelo nas redes sociais.

Na prática, o Twitter segue odiado por ter bloqueado a divulgação de uma notícia (questionável) do New York Post sobre o filho de Joe Biden e suas ligações com a Ucrânia.
A cidade da falsidade
Veles, cidade na Macedônia do Norte, foi centro de distribuição de fake news em 2016, durante a eleição americana. E está de volta ao noticiário, com o mesmo tema.
O que o Facebook fez certo (mas atrasado e meia-boca)
Finalmente baniu o discurso de negação do holocausto, mesmo após Mark Zuckerberg dizer, em 2018, que achava que esse tipo de aberração deveria continuar sendo divulgada na rede social. Porém outros tipos de genocídio (como armênio e de Ruanda) seguem liberados. Twitter diz que também baniu a negação de holocausto.

Ainda em banimentos, o NYT comenta que o Facebook quer banir o QAnon, mas não tem dado muito certo. E o YouTube barrou desinformação sobre vacinas do coronavírus.
Ai que susto
Ontem no fim do dia o Twitter baleiou. Deu até medo de ser uma nova invasão a contas famosas, mas provavelmente alguém chutou a tomada do servidor.
Sem elefante
Se os fãs de Trump se esbaldam no Facebook e no Twitter, uma tendência interessante nos EUA: o Instagram é o reduto dos liberais na eleição 2020 dos EUA. Será que temos um movimento parecido em outros lugares?
Quem quer comprar um Quibi?
Quibi, a plataforma de streaming com vídeos curtos que surgiu na hora errada (pandemia, quando todos os outros serviços se fortaleceram e foram para a briga de gente grande em telas grandes), procurou a Apple para ver se encontrava um comprador. Não foi dessa vez, Quibi.
Fim do embromation
Se você é daquelas pessoas que murmuram sem assobiar ou cantar, o Google lançou uma tecnologia excelente: uma inteligência artificial que identifica seus "mmmmm kenliiiii" ou "iarnuou" e diz (e promete acertar) qual é a canção.

Bom dia com a música na sua cabeça agora.
Santo millenial
2020 segue no modo aleatório de notícias e temos agora um padroeiro da internet, beatificado no último final de semana.

Carlo Acutis morreu aos 15 anos de leucemia, sem antes ajudar a criar sites católicos e supostamente ter curado um brasileiro após sua passagem para o além.
Podcasts a caminho
Ainda na editoria "2020 é o ano do podcast", o B9 crava que a Amazon Music lança os podcasts em português ainda este ano, em novembro. E o Spotify permitirá a inclusão de músicas inteiras em episódios de podcasts da casa.
Mal chegou e já foi
O app Tuber surgiu na internet chinesa prometendo acesso a sites bloqueados por lá - e foi bloqueado tão rápido quanto o Facebook em Pequim. Não prometa o que você não pode entregar - coisas como enfrentar o grande firewall da China. 
Lavou tá novo
OnlyFans é coisa do passado (mentira, segue a onda de amadores e nem tão amadores assim entrando na plataforma e profissionalizando a peladeza e vídeo de namoro - levando um bom troco): a tendência entre o povo que vende serviços de "contador" na internet hoje é mandar para os fãs coisas como cookies, fios de cabelo e água de banho.

Nada de novo por aqui, certo?

Achados amazon da semana
Games
Game Over
Cinco meses após ser lançado, o Crucible - investimento e promessa da Amazon no desenvolvimento de jogos… morreu.
Continue
Mas além de Crucible e Twitch, os experimentos da Amazon no mercado de games são bilionários e estão em fase inicial.
Novembro está Xegando
E com ele, o Xbox Series X, que já está recebendo análises prévias - o famoso aquecimento para o lançamento. Aqui o que foi feito no Engadget e no Ars Technica.
A cara do console
Depois de demonstrar as entranhas do PS5, a Sony exibiu a interface do console. Um grande "nossa, que coisa né..." que só gera animação em fã de console e jornalista de game.
segaaa
Comemore os 60 anos da Sega com minigames (gratuitos) na Steam.
Leituras longas
Walter White Iamarino
A Bloomberg conta a curiosa história do biohacker que está produzindo sua própria vacina contra Covid-19 no quintal de casa. E descobriu que não é tão fácil assim.
Influencers
No UOL Universa, um perfil de Egnalda Côrtes, gerenciadora de carreira de diversos influenciadores negros e que não faz concessões - o que é ótimo.
Recebidinhos
Shein é mania de fast fashion global, incluindo o Brasil. O SCMP explica algumas razões do sucesso da marca que vende baratinho e chega num saco preto meses depois na sua casa.
Túnel do tempo
Como eram os sites da Apple, Google e Amazon em 1999.
Techbiz
NuPix
Três fintechs (Nubank, Mercado Pago e PagSeguro) lideram o ranking de cadastros no Pix, de acordo com o Banco Central. São seguidos por cinco instituições da velha guarda (Bradesco, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Itaú e Santander).

Pode ser sinal de um público mais alinhado com tecnologia, mais disposto a abraçar novidades ou um bom trabalho na conscientização dos clientes - o que não acontece automaticamente com chuva de dinheiro e famosos em horário nobre, não é Santander?

O Nubank tem 8 milhões de cadastros, ou 23,9% do total. Mas o brasileiro segue sem saber o que é Pix.
Vale do Dendê
Um raio-x em inglês do cenário de startups no Brasil, com destaque para empresas de Salvador.
Criptografia para todos
O Zoom começa a implementar o recurso (mais que esperado) de criptografia ponta a ponta nas videochamadas. Tem alguns limites temporários para quem adotar o recurso, mas novas atualizações até 2021 prometem melhorar o serviço.
Operadoras tendo ideias
A Claro montou uma loja/estúdio para vender telefones e planos na internet ao vivo, no melhor estilo TikTok chinês.

E a Vivo, depois de lançar uma loja/marketplace online para vender coisas que não são telefones ou planos de telefonia, agora empresta dinheiro para seus clientes - até R$ 30 mil em crédito pessoal.

Se já é horrível cancelar um serviço nas operadoras, imagina dever dinheiro para uma delas...
Compartilhe