Copy
8 de novembro de 2019
Oi! Texto curto aqui para dizer que essa edição da Interfaces está recheada de coisas legais - de smartphones de 108 megapixels, congresso de segurança e Bill Gates falando bobagem. Boa leitura e até semana que vem - quando circularemos na quinta-feira, por conta do feriado do dia 15. - Henrique e Samir. 
Destaques da semana
Guerra dos megapixels
A Xiaomi/DL anunciou ontem à noite a chegada de mais dois modelos de smartphones ao mercado brasileiro, o Redmi Note 8 e o Redmi 8 Pro, com câmeras de 48 megapixels e 64 megapixels de resolução, respectivamente. Na China, a mesma Xiaomi anunciou o Mi Note 10, seu primeiro smartphone com câmera de 108 megapixels. Uau. No mercado internacional a marca procura bater a Huawei.

Mas, em apenas cinco meses de forma oficial no Brasil, a empresa diz que cresceu e segue aumentando o portfólio de produtos oferecidos: eram sete smartphones e pouco mais de 100 produtos do ecossistema Xiaomi (lâmpadas, câmeras, patinetes, guarda-chuva, fone de ouvido e por aí vai). Agora já são 15 smartphones (contando variantes que mudam quantidade de memória/armazenamento interno) e quase 250 itens/coisas. 

Por conta da capilaridade e do velho relacionamento da DL Eletrônicos com o varejo brasileiro, dizem estar em 2.000 pontos de venda em todo o país, número que vai aumentar com a chegada da Vivo como operadora parceira (vale lembrar que a Vivo também foi a primeira parceira da Xiaomi na primeira versão da operação no Brasil, em 2015). Preços e produtos de smartphones e "coisas" que serão oferecidos nas mais de 1.600 lojas da operadora no Brasil devem ser divulgados nos próximos dias. 

Sobre a "competição" com importadores de Xiaomi do Paraguai e da própria China (que fazem a festa dos YouTubers de tecnologia), a DL parece estar tranquila. Conversamos com Luciano Barbosa, head do projeto Xiaomi na DL, e ele comentou que existe o lado positivo de maior divulgação da marca, mas falta a arrecadação de impostos no país por conta dos importados. 

E que as lojas virtuais que a Xiaomi vende com loja oficial - Americanas.com, Pernambucanas, Kalunga, Submarino, Magazine Luiza, Ricardo Eletro, C Nova e Carrefour - estão, aos poucos, deixando de vender Xiaomi de fornecedores do marketplace.

Não há planos de lançar uma loja na Amazon Brasil no momento (por conta do alto volume de importados no marketplace), mas que devemos ver em breve mais uma loja física da Xiaomi no Brasil.
Redmi Note 8 Pro (Henrique Martin/Interfaces)
cibersegurança 
No começo da semana, a 11a Conferência Brasileira da HTCIA (High Tech Crime Investigation Association) debateu em São Paulo temas como inteligência artificial, big data, privacidade e LGPD de um ponto de vista único - o da segurança da informação.

O público era composto por advogados, membros do Poder Judiciário, da Polícia Civil, estudantes, profissionais de TI e advogados. As principais coisas que o Henrique aprendeu nos dois dias:
  • Crimes de alta tecnologia são uma realidade e vão continuar sendo - foram 62 mil vítimas no Brasil só em 2017. Faltam políticas públicas de educação do governo para educar a população sobre cibersegurança. 
  • Reconhecimento facial é algo que veio para ficar, para o bem e para o mal. Apesar dos custos altos ainda, vai ser adotado pelo comércio e cada vez mais pelos governos. 
  • E, ponto importante, não dá para fugir de reconhecimento facial usando máscaras ou artefatos no rosto (vide a guerrilha urbana de Hong Kong.  Já existem tecnologias de contexto (roupas, ambientes) que juntam dados e levam a um reconhecimento posterior. 
  • Dos produtos de dados que um ser humano gera na internet, os dados de saúde são os mais valiosos e sensíveis.
  • Há um consenso de que o direito (e as leis) seguem o comportamento da sociedade e que a tecnologia acelerou os processos, e a justiça/direito precisam ser aceleradas também. 
  • Porém essa “corrida armamentista” criada pela tecnologia e que usa dados para combater crimes tem um limite em relação aos direitos do cidadão
  • A existência de um viés na tecnologia é real e precisa ser combatido por quem a desenvolve.
  • Criptomoedas são algo que não vai deixar de existir, e vão continuar sendo usadas em lavagem de dinheiro mundo afora. 
  • Pergunta relevante sobre proteção de dados: “Quantas reputações se perderam por aí por conta de uma selfie ou vídeo em redes sociais?”. 
  • Ouvido sobre a Vaza Jato: “Os usuários não tinham noção de segurança, sem autenticação de duas etapas. Se tivessem configurado direito, não seriam vítimas da interceptação”. 
  • A chegada da LGPD em 2020 vai garantir liberdades e privacidades, e a lei é vista como um princípio geral de compliance e governança. Se atrasar para 2022, será um retrocesso com prejuízos enormes. 
Eletrônicos de consumo
Tikfone
Jianguo Pro 3 é o primeiro smartphone da Bytedance, dona do TikTok. Disponível na China apenas. (É cada padrão de câmeras traseiras que aparece...) 
Jianguo Pro 3 (Bytedance/divulgação)
Rumores da Semana
Um possível Samsung Galaxy S11e terá uma bateria grande (4.000 maH), o que pode indicar uma capacidade ainda maior no Galaxy S11/S11+. Mas antes dele tem o Galaxy S10 Lite, que… passou pela Anatel.
Na surdina
Sem fazer barulho, sem fazer evento, sem gritar com pessoas no Twitter, a Samsung trouxe para o Brasil os seus modelos A10s e A20s (com "atualizações de câmeras e processadores").
Alta fidelidade
O Verge descobriu a moda dos fones de ouvido Chi-Fi (ou… China Hi-Fi), modelos baratos e modulares que são bem comuns em São Paulo, pra dizer a verdade.
O idoso nem sempre tem razão
Se a Microsoft tivesse se empenhado mais um pouco, o Windows Mobile teria batido o Android - mas Bill Gates & Cia estavam ocupados demais brigando na justiça com o processo antitruste.

A afirmação foi dada pelo próprio Gates, num evento do New York Times. Acredito que ele nunca usou um Windows Mobile na época (não confundir com o posterior Windows Phone, que era legal, mas foi pras cucuias).
Números enormes
A Leica lançou uma nova câmera full-frame, modelo SL2, e, como sempre, ela custa uma fortuna (US$ 5.995 só o corpo) para produzir fotos incríveis.
Compras
Semana passada era um rumor, que se concretizou: o Google comprou a Fitbit por 2,1 bilhões de dólares - e atropelou o Facebook na negociação ao oferecer mais dinheiro.

As viúvas do Pebble já começaram a aparecer.
lÍQUIDO
Immergo é o projeto muito legal de um estudante de arte: um fone de ouvido que usa água em sua estrutura, dando uma experiência mais imersiva de som (obrigado, condução óssea). 
fORNO
A pizza servida no Apple Campus é muito boa mesmo? Há quem diga que é a melhor dos Estados Unidos. Deu fome.
Foco
Hackers poderiam usar lasers para comandar, à distância, dispositivos como Google Home e Amazon Echo e roubar dados (ou bagunçar sua mente?). É o que diz uma pesquisa da Universidade de Michigan.
Rápido
A Air France começou a testar voos com conexão do tipo Li-Fi (Light Fidelity), mais rápida e com menos cabos / equipamentos dentro de um avião. O teste ocorreu num voo entre Paris (Orly) para Toulouse, com um campeonato de Trackmania Stadium, game da Ubisoft.
LiFi no ar (Air France/divulgação)
Núcleos
A AMD anunciou processadores para desktop com 16, 24 e 32 núcleos da sua família Ryzen, que chega à terceira geração. Cheia de superlativos, o AnandTech tem mais detalhes.
Ofertas amazon da semana
Internet
Caronas
Waze e Uber mostraram novidades para o Brasil esta semana. No Uber, passageiros e motoristas podem gravar - ao toque de um botão - as conversas no carro, por segurança. Os arquivos são protegidos por criptografia e só podem ser ouvidos pelo próprio Uber, em uma investigação. O app agora também vai mostrar rotas de ônibus. 

Já o Waze anunciou que já teve 2 milhões de corridas no Waze Carpool no país e que vai ter pontos de encontro marcados em São Paulo durante um projeto piloto para deixar a vida dos motoristas e passageiros mais simples. 

Enquanto isso, os taxistas de São Paulo podem cobrar "Bandeira 3" (mais cara) em eventos especiais pela cidade. Vai dar muito certo nessa luta para combater Uber, 99...
Ia em tudo
A Adobe deixou de ser a empresa que faz só o Photoshop faz tempo, e esta semana anunciou um monte de coisas legais - como um modo de edição de vídeos para TikTok no Premiere Rush, versões para iPad do Photoshop (olha ele aí) e do Illustrator (só em 2020)  e uma parceria com o New York Times e o Twitter para checar autenticidade de conteúdo na rede social. Tem um monte de coisas relacionadas a inteligência artificial também.
Jacobs by Marc Jacobs for Marc Jacobs by Jacobs
O FACEBOOK anunciou sua nova identidade de marca, toda em caixa alta. Agora Facebook é a rede social e FACEBOOK é a empresa-mãe do Facebook, WhatsApp, Instagram e produtos/serviços do FACEBOOK. A gente só vai usar tudo em maiúscula e fazer essa diferenciação neste post, de resto vai ser tudo a mesma coisa - eles que lutem.

Entendeu? Em resumo, é para diferenciar a marca e tentar evitar que a empresa seja separada em um futuro governo democrata nos Estados Unidos.

A CNN diz que o tema dos anúncios políticos liberados está em discussão e que pode mudar em breve. Temos nossas dúvidas.
O que o WhatsApp fez de errado esta semana
Uma falha no mensageiro permitiu ao governo espionar a vida de dissidentes políticos na Índia. Argh. 

Pelo menos o WhatsApp fez mudanças nos recursos de privacidade na versão para Android, ampliando as opções no uso de grupos - agora dá para exigir convite antes de ser adicionado a um grupo aleatório.
Enquanto isso, no Twitter
Ex-funcionários do Twitter na Arábia Saudita foram acusados de espionagem e agora estão sendo processados - mas, dos três acusados, dois não estão nos EUA e não devem ser extraditados. 

Finalmente o discurso de "menos papo, mais recursos" de Jack Dorsey começa a entrar em ação: agora é possível seguir tópicos na sua timeline, em vez de pessoas.
sayonara
O pioneiro serviço iMode, lançado em 2001 pela operadora NTT DoCoMo, foi o primeiro a levar internet ao celular, numa era pré-smartphone. Mas agora o 5G vem aí, e o iMode sai do ar em… 2026.
pressão
O TikTok e seu crescimento acelerado no mundo todo já acendeu luzes de alerta porque… é um app chinês e pode roubar seus dados (conhecemos o discurso). Nos Estados Unidos, o TikTok vem passando por um escrutínio de segurança - e os chineses se explicam.

Só pensando alto aqui, sobre a segurança e privacidade do WeChat ninguém comenta, né?
Arquivos
O Dropbox lançou um sistema de transferência direta de arquivos entre pessoas pela internet, sem precisar passar por pastas compartilhadas na nuvem. É que nem o WeTransfer, agora com a marca Dropbox.
Pulo
Seth Meyers tem um novo especial de comédia na Netflix. Até aí tudo bem - a novidade um botão que permite aos espectadores politicamente sensíveis (OK, boomer) pular as partes que ele tira uma do presidente Trump.
vai demorar (para alegria da amazon e netflix)
Disney+, o streaming do Mickey, só chega ao Brasil em novembro de 2020 - um ano depois da estreia nos EUA. A Disney ainda não assinou nenhum acordo de licenciamento para o conteúdo exclusivo da rede, então prevemos um crescimento no uso da biblioteca do Paulo Coelho nesse período.

Felicidade das outras redes de streaming que devem crescer no país (principalmente da Amazon Prime Video, que segue com preços mais convidativos).
departamento da distopia
Já era
FaZe Jarvis, youtuber especializado em Fortnite com 2 milhões de seguidores, foi banido do jogo pelo resto da vida por trapaça no game. Jarvis pede desculpas e chora bastante em um vídeo que já está com quase 8 milhões de views (e que vai dar um bom dinheiro para o moço de 17 anos - que vai ter que arranjar outra fonte de conteúdo ou um... emprego).
Faze Jarvis (YouTube/reprodução)
Cadeia tech
O mundo maravilhoso do reconhecimento facial no Rio de Janeiro levou à prisão de 63 pessoas em quatro meses. O serviço não funciona ainda na cidade toda.
Leituras Longas
Sem liberdade
O relatório Freedom on The Net 2019 foi divulgado esta semana e, bem, as notícias sobre o estado da rede não são nada animadoras.
Não é o Horse_ebooks
Um review-thread no Twitter sobre o emoji de cavalos nas diversas plataformas digitais.
Fama
No New York Times (paywall), uma explicação do que acontece quando o presidente dos Estados Unidos retuíta pessoas comuns. 
Matrix
Estamos vivendo em uma simulação? O autor do artigo na Paris Review acha que, bem, é um impulso da geração atual. 
Esporte
O blog do professor Fernando Fleury, na ESPN Brasil, voltou a ser atualizado e pretende debater os temas relacionados a marketing esportivo no país - cada vez mais ligado a pesquisa e tecnologia.
Moeda
Na Vanity Fair, o grande roubo de bitcoin na Islândia. 
Experiência
Na Quartz, a revolução (ou não) do 5G depende do design. 
Techbiz
Não Faz Maquininha
Lauro Jardim, d'O Globo (paywall), diz que o Cade pode fazer com que os bancos grandes tenham que se desfazer de suas empresas de maquininhas de cartão de crédito (Bradesco, Banco do Brasil e Itaú terão de abandonar Getnet, Cielo e Rede, respectivamente).

Se seguir adiante, vai render um novo debate - uma empresa de cartões pode ser um banco também? E aí surge uma bela pedra no sapato da Stone, PicPay, MercadoPago, Minizinha e afins (agora todo mundo quer virar banco).
Evolução do app
O Banco Inter lançou uma versão nova do seu app (que o pessoal do marketing chama de "superapp") que integra com serviços de compras, cashback, e facilita o uso por parte do usuário. Pode ser que isso funcione como um maior atrativo e ajude o usuário a esquecer as falhas de segurança que o banco enfrentou nos últimos meses.
Contra o troll de patente
Uma longa história de como a Cloudflare enfrentou - e venceu - um escritório de advocacia que comprava patentes e ameaçava empresas de tecnologia.
Correlações
Se o mercado de abacates está em queda, o de bitcoin também está. Se os abacates estão em alta, o bitcoin também. 
US$ 26 bilhões
É o valor de aportes nas startups na América Latina até junho (paywall).
Xadrez
A estratégia da Oracle na era Trump: discreta e eficiente - até mesmo contra os concorrentes.
Compartilhe